• Canal da Marcenaria

Home office: o que levar em consideração no projeto





Com a chegada da pandemia, foi necessária uma mudança “brusca” e repentina: a união da casa com o trabalho. O home office rapidamente se tornou uma realidade, e com isso, foi preciso arranjar um cantinho dentro das casas que suprisse o conforto e silêncio necessário, garantindo a saúde física e psicológica dos moradores.


Para isso, mais do que simplesmente colocar os materiais em cima de uma mesa e se sentar em uma cadeira, foi necessário considerar a ergonomia. Qualquer tipo de incomodo ou desconforto enquanto está trabalhando, mesmo que inconscientemente, pode impactar no desempenho e rendimento do profissional. Nesse sentido, foi criada uma norma regulamentadora para ambientes de trabalho, a NR17, sendo necessário que o arquiteto ou designer de interiores tenhas domínio sobre essa norma quando for projetar um home office. Confira:


NR17 - Características do mobiliário


Superfície da mesa (área de trabalho): deve ser regulável em altura, com possibilidade de variação mínima de 13 cm, permitindo que o usuário faça o uso da mesma apoiando seus pés no piso;


Área livre para as pernas: o espaço sob a superfície de trabalho deve apresentar profundidade, livre, mínima de 45 cm ao nível dos joelhos e de 70 cm ao nível dos pés;

Mesa de trabalho: deve apresentar bordas arredondadas. Quando não é utilizada como apoio para material de consulta, deve ter profundidade mínima de 75 cm e largura de 90 cm. “É interessante que o acabamento da mesa seja liso, proporcionando melhor experiência de escrita e apoio dos equipamentos necessários. O acabamento também deve facilitar a limpeza!”, indica Hoffman.


Monitor de vídeo e teclado: devem ser apoiados em superfícies com mecanismos de regulagem independentes. Caso o monitor apresente regulagem própria (de no mínimo 26 cm, na vertical), a superfície pode apresentar sistema de regulagem único.


NR17 - Característica dos assentos


Assento da cadeira: A borda frontal do assento deve ser arredondada e apresentar profundidade entre 38 e 46 cm. A altura do assento deve ser ajustável, em relação ao piso, com uma variação entre 37 e 50 cm, de forma a atender as necessidades da maioria dos usuários. O revestimento deve permitir a perspiração.


Encosto da cadeira: ajustável em altura e em sentido ântero-posterior (para frente e para trás), com forma levemente adaptada ao corpo para proteção da região lombar.

Apoio de braços: regulável entre 20 e 25 cm, a partir do assento, e sua altura não deve interferir no movimento de aproximação da cadeira em relação à mesa.


Base da Cadeira: o assento deve estar apoiado sobre cinco pés, em rodízio (rodas), com resistência suficiente para evitar deslocamentos involuntários e que não comprometa a estabilidade do assento.


É necessário, também, pensar a disposição do projeto no espaço como etapa da atividade de projetar móveis para home office, tornando o ambiente mais profissional, com pouco barulho e com acesso restrito aos demais moradores da casa.





Fonte: https://digital.formobile.com.br/tendncias/o-que-levar-em-conta-ao-projetar-mveis-para-home-office



38 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

RECEBA AS NOVIDADES

Rede PRÓ

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Instagram